Biografia e História

Resumo
Sergio Vidal é pesquisador, escritor, ativista, redutor de danos e pai dedicado de uma linda menina de 5 anos. Bacharel em antropologia pela Universidade Federal da Bahia, em 2005 começou sua carreira de pesquisador e ativista antiproibicionista através do Grupo Interdisciplinar de Estudos sobre Psicoativos. Desde então vem ampliando seus estudos sobre leis e políticas públicas relacionadas com os usos e usuários de maconha e outras drogas e visitando diferentes cidades em todo país para falar em palestras, seminários, congressos e os mais variados eventos a respeito do tema. Já escreveu artigos para sites, jornais, periódicos científicos e livros. Cedeu entrevistas e participou de programas de rádio e TV, jornais e revistas. Atualmente é presidente da Associação Multidisciplinar de Estudos sobre Maconha Medicinal - AMEMM e gerente da filial da Green Power em Joinville 


Currículo Lattes

HISTÓRICO:
Uma versão mais completa das atividades realizadas por Sergio Vidal ao longo da carreira podem ser consultadas no Currículo Lattes. Abaixo está apresentado uma breve cronologia das suas atividades.

2004

Participou como cidadão do Fórum Regional de Políticas sobre Drogas, promovido pelo Governo para consultar a população na elaboração da Política Nacional sobre Drogas.

2005 


Ritual do Santo Daime (Acre, 2006)
Ajudou a fundar o Grupo Interdisciplinar de Estudos sobre Substâncias Psicoativos (GIESP) e a registrá-lo no Diretório de Grupos do CNPQ , onde começou a trabalhar como secretário, auxiliando o prof. Edward MacRae, com quem trabalhou diretamente até o fim de 2008. Trabalhando junto com o prof. MacRae, conseguiu a aprovação de um edital de apoio financeiro do CNPQ a um projeto de pesquisa para estudar religiões ayahuasqueiras, especialmente o Santo Daime, no Acre. 



2006
Vidal ao lado de um espécime do
cipó Jagube, utilizado no feitio do Daime
Participou de uma expedição etnográfica ao Acre que durou um mês, no qual visitou comunidades em diferentes cidades do Estado, como integrante de uma equipe coordenada pelo prof. Edward MacRae. O trabalho de etnografia abrangeu principalmente a comunidade Céu do Mapiá, sede do Centro Eclético da Fluente Luz Universal Raimundo Irineu Serra - CEFLURIS, linha do Santo Daime atualmente liderada pelo Padrinho Alfredo, filho do Padrinho Sebastião, localizada numa região da floresta amazônica há cerca de 10hs de barco do município chamado Boca do Acre e a igreja do CEFLI - Centro Eclétivo Flor de Lótus Iluminado, liderado pelo Mestre Conselheiro Luiz Mendes, localizada no município de Xapuri. Nesse mesmo ano tornou-se Bolsista de Iniciação Científica pelo CNPQ, com o projeto de pesquisa sobre as religiões ayahuasqueiras. Também publicou junto com o prof. Edward MacRae um artigo na Revista de Antropologia da USP

Em junho Vidal participou da organização de um Seminário sobre Transe Espiritual, promovido na Universidade Federal da Bahia. Em outubro foi aprovada a nova Lei de drogas, 11.343, e o decreto 5.912, que criou o Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas - CONAD, no mês seguinte promovemos um debate sobre o tema. Também neste ano entrou para o time de pesquisadores associados ao Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos - NEIP, um grupo de cientistas e pesquisadores antiproibicionistas. 







2007

Criou este blog, que na época se chamava Observartório da Cannabis, com o objetivo de transformá-lo, aos poucos, num site voltado para Pesquisa e divulgação de informações, sobretudo sobre a Cannabis, Redução de Danos e militância política, estimulando a aproximação de estudantes, pesquisadores, ativistas e outros interessados nos temas afins.


Nelson Martinesi (artista plástico), Dr. Edward MacRae (antropólogo) e Sergio Vidal
Começou a militar politicamente por uma reforma nas políticas e leis e nesse processo, começou a promover reuniões para discutir a viabilidade da realização da edição Salvador da Marcha Mundial da Maconha. Foi decidido que, por falta de mobilizadores, no lugar de uma marcha seria realizada a 1ª edição do Seminário “Maconha na Roda”. Em maio, com o apoio do GIESP, organizou 1º Seminário "Maconha na Roda: Políticas Públicas em diálogo com a Sociedade Civil”, para marcar em Salvador a data da "Marcha Mundial da Maconha". O evento realizou-se com grande sucesso, na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia e contou com a participação de especialistas de diferentes áreas, que durante 2 dias falaram sobre diferentes temas. Ao fim do evento tivemos também uma exposição de arte cannabica. Ouça os áudios do Evento

Seminário Maconha na Roda

A criação do CONAD, em 2006, deu maior abertura para que a sociedade civil pudesse participar da elaboração e  dos debates oficiais sobre as políticas sobre drogas, inclusive com a criação de uma vaga para representante da União Nacional dos Estudantes. Sergio então deu início ao diálogo com o Movimento Estudantil, principalmente através do Centro Acadêmico de Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia, criando a comissão de políticas sobre drogas, com a participação em diferentes eventos locais sobre drogas, políticas públicas e legislação, que ajudaram  na organização dessa pauta dentro do Movimento Estudantil da UFBA e no diálogo com outros setores do ME. 

Em julho Vidal foi convidado a participar do 50 Congresso da União Nacional dos Estudantes, onde falou a respeito da importância do envolvimento do Movimento Estudantil nas discussões sobre as leis e políticas sobre drogas. Sergio cobrou da UNE maior participação no debate e ocupação imediata da vaga reservada a entidade no CONAD. Relato completo do Evento.

Beatriz Labate, Maurício Fiore e Sergio Vidal
Painel Drogas: O debate atual no Brasil
Em outubro, participou, a convite da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas - SENAD, do Seminário de Fundação da Rede de Pesquisa sobre Drogas. Em dezembro foi a São Paulo participar ao vivo do Programa MTV Debate, que contou com a participação, dentre outros, do médico Ronaldo Laranjeira e do antropólogo Maurício Fiore.

Em dezembro participou também de um debate sobre Descriminalização da Maconha no I Simpósio Regional de Ciências Criminais, organizado pela Superintedência Regional da Polícia Federal na Bahia. Também em dezembro Vidal foi até Recife, a convite do coletivo organizador da Marcha da Maconha, para ministrar uma aula sobre a história da maconha no Brasil na UFPE.


Debate na MTV sobre Legalização da Maconha



2008

O movimento antiproibicionista ganhava cada vez maior visibilidade, repercussão e, principalmente, novos ativistas. Muitos debates começaram a surgir em diferentes partes do país. No ano de 2008 Vidal se tornou membro do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas, para uma representação que durou até 2010, na vaga da União Nacional dos Estudantes. Em julho participou do Encontro Nordeste de Redutores e Redutoras de Danos e foi indicado como mobilizado da Bahia da Associação Brasileira de Redutoras e Redutores de Danos (ABORDA). Em agosto participou do Encontro Nacional de Redutores e Redutoras de Danso e se tornou mobilizador do estado da Bahia da Associação Brasileira de Redutoras e Redutores de Danos - ABORDA, durante o mesmo período. Participou de diversos debates do Movimento Estudantil, em diferentes cidades do país, sempre focando o discurso na importância do envolvimento do Movimento Estudantil e da juventude na elaboração e implantação das leis e políticas sobre drogas no país. Sergio também participou de diversos debates sobre leis e políticas sobre drogas, redução de danos, direitos dos usuários, que eram relacionados com outros setores da sociedade que não apenas o ME. EM 2008 passou também a ser pesquisador associado à Associação Brasileira de Estudos Sociais sobre o Uso de Psicoativos - ABESUP, criada neste mesmo ano. Este também é o ano no qual é publicado o primeiro artigo sobre a história da maconha no Brasil, através da ONG Koinonia, que tem atuação no Polígono da Maconha. 

Em agosto Vidal foi ao Rio de Janeiro apresentar um trabalho sobre a regulamentação do cultivo doméstico de maconha como estratégia de redução de danos no Congresso da Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas.

Mas 2008 foi também um ano muito complicado para o movimento antiproibicionista. Ações foram impetradas pelos Ministérios Públicos de quase todos os Estados onde haviam Marchas da Maconha agendadas. Só houve o evento em Manaus e Recife. Em Salvador Sergio e os demais ativistas sofreram muito com esse golpe jurídico e político. Vidal chegou a ser intimado para prestar esclarecimento na Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes, atual Delegacia de Narcóticos, onde foi ouvido. O professor Edward MacRae, a pesquisadora Luana Malheiro e outras ativistas também prestaram depoimentos à polícia na época. 

A repercussão em todos os veículos de mídia foi muito grande e parte da história da Marcha Proíbida em Salvador virou até história em quadrinhos:



Leia toda História 

A proibição da Marcha da Maconha em Salvador também gerou um debate na TV Educativa, emissora filiada ao Governo do Estado da Bahia, no qual Vidal participou ao lado do do prof. Edward MacRae e do Jurista Miguel Calmon.



No final de 2008 Vidal também atuou junto ao Coletivo BaLanCe, que promove ações de Redução de Riscos e Danos, Educação e Cuidados para com as pessoas que usam drogas no Festival de Arte e Cultura Eletrônica Universo Paralello. 

2009

Em maio Vidal foi a Goiânia participar do debate "Rompendo o Silêncio: as drogas na sociedade contemporânea.Criminalização dos Movimentos Sociais", para debater a repressão policial à Marcha da Maconha de Goiânia de 2008.  

Em junho Vidal foi convidado a participar da equipe de criação e implantação do site Observatório sobre Drogas, juntando-se a equipe e ajudando a idealizar, planejar e implementar o Portal ObservaCETAD. Também foi convidado a escrever um artigo sobre sua pesquisa de conclusão de curso, que estava em fase final, para ser publicado na coletânea "Toxicomanias: Incidências Clínicas e Sócio-antropológicas", da Editora da Unive.rsidade Federal da Bahia. O artigo, chamado "A regulamentação do porte, plantio e distribuição não-comercial de Cannabis sativa: um paradigma legal de redução de danos", é o primeiro texto de um pesquisador brasileiro apresentando os argumentos que existem em experiências de outros países a respeito da tolerância ao cultivo caseiro como redução de danos e riscos sociais e à saúdeO texto pode ser encontrado para download AQUI.


Stand da Ananda em festa na Universidade Federal da Bahia

Em 2009 também foi criada a Ananda, primeira tentativa de institucionalizar a luta antiproibicionista em Salvador, que durou pouco mais de 1 ano, mas que em pouco tempo conseguiu realizar muita coisa e servir como inspiração para os ativistas da cidade. A Ananda surgiu da vontade de juntar todos os ativistas e interessados na luta pela legalização na Bahia e conseguiu promover não apenas a discussão sobre política de maconha e outras drogas, mas também ações de educação e redução de danos em festas e eventos culturais, como o Encontro Nacional de Estudante de Artes. 2009 foi o ano no qual o movimento amadureceu e decidimos que, mesmo que a Marcha fosse proibida, lutaríamos até conseguirmos na justiça a autorização para realizar a Marcha da Maconha em Salvador. A proibição da Marcha no ano anterior deu força ao movimento e passamos a nos reunir semanalmente no Diretório Central dos Estudantes da UFBA. 









No entanto, apesar de todo esforço das pessoas que faziam a Ananda, a Marcha da Maconha foi novamente proibida. Só que dessa vez os ativistas decidiram por uma estratégia diferente, mantiveram as manifestações pela liberdade de expressão nos últimos finais de semana de cada mês e entraram com um pedido Habeas Corpus, redigido por Sergio Vidal, com ajuda dos advogados Gerardo Santigado e Ludmila Correa. O HC impetrado por Vidal tramitou do dia 29 de maio até o dia 1 de setembro, Veja o Histórico. Todo Fim de Mês, Um após o outro, a turma da Ananda realizou manifestações no mesmo local onde estava marcada para ocorrer a Marcha da Maconha, para lembrar o fato de que o processo do HC estava correndo na Justiça. O diálogo com os agentes da Lei foi fundamental nesse processo, para que ficasse claro que nosso interesse era de manifestação legítima. Finalmente, no dia 1 de setembro a 1 Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia concedeu o Habeas Corpus em favor dos integrantes da Ananda e de todos que quisessem ir à Marcha da Maconha, revertendo a decisão inicial de proibição. A Marcha ocorreu de forma pacífica no dia 5 de dezembro.





Por conta de todo esse envolvimento acadêmico e político com o tema, Vidal foi convidado a participar do programa Jornal da Manhã, na TV Bahia e do programa Espaço Livre, da TV Assembléia, da Câmara de Deputados do Estado da Bahia, no qual pode dialogar com o Delegado do Departamento de Narcóticos da Polícia Civil. E em dezembro Vidal foi ao Rio de Janeiro participar do evento "Contribuição da Juventude para o debate sobre drogas", promovido pelo jornal O Globo.

Durante a estadia no Rio de Janeiro ocorreu o primeiro caso de prisão de um cultivador no qual Vidal procurou fornecer ajuda, o Fábio. Junto com o sociólogo e ativista Renato Cinco (atualmente vereador pelo PSOL-RJ e o advogado Gerardo Santiago até a delegacia explicar aos agentes que segundo a Lei 11.343 quem planta para consumo pessoal, ainda que tenha que ser punido e seja considerado criminoso, não pode mais ser preso ou ficar encarcerado. Após 3 dias de prisão e militância, Fábio finalmente foi solto.


Entre fevereiro e outubro de 2009 Vidal também fez parte do Grupo de Trabalho criado pelo Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas para discutir a regulamentação e alterações na Lei 11.343. O Grupo fez alguma reuniões em São Paulo ao longo do ano e era formado por representantes de diferentes áreas de atuação, porém os trabalhos foram encerrados sem maiores esclarecimentos aos participantes e sem que tenha sido realizado qualquer encaminhamento.




Debate no programa Espaço Livre - TV Assembléia Legislativa da Bahia



Debate promovido pelo O Globo (RJ): Contribuições da Juventude para o debate sobre drogas




Entrevista no Jornal da Manhã - TV Bahia


2010

Em fevereiro Sergio ajudou em mais uma caso de cultivador preso, conseguindo uma advogada para atuar no caso e auxiliou na construção da defesa. Dessa vez um rastafari em Salvador que cultivava 2 pés de ganja, que ficou preso 9 dias antes de conseguir a liberdade. 

Em março Vidal defendeu seu Trabalho de Conclusão de Curso em Antropologia, uma pesquisa etnográfica a respeito das pessoas que plantam maconha para consumo pessoal no Brasil, que foi aprovado pela banca avaliadora. Também em março Vidal começou a ajudar no caso do José Godoy, paciente com HIV positivo  que cultivava 50 plantas para uso medicinal e que ficou preso 5 meses detido até que fosse conseguido seu Habeas Corpus. 

Em maio Vidal ajudou a construir e participou das Marchas da Maconha do Rio de Janeiro e de São Paulo. Também em maio Vidal começou a escrever o livro Cannabis Medicinal Introdução ao Cultivo Indoor, lançado em dezembro do mesmo ano. 

Em julho Vidal foi o primeiro a achar notícias sobre a prisão do baixista da banda Ponto de Equilíbrio, Pedro Pedrada, imediatamente encaminhando mensagens para os advogados do movimento que tomaram a frente do caso. Pedrada ficou 14 dias preso até conseguir o Habeas Corpus. No final de julho Vidal participou do programa Conexões Urbanas, produzido pelo Canal MultiShow.

Em novembro vidal participou como palestrante do Simpósio "Drogas: Notícias do Campo, Leis e Movimentos Sociais", realizado em Salvador.
.
Em dezembro ocorreu o lançamento do livro Cannabis Medicinal Introdução ao Cultivo Indoor durante a primeira Oficina de Cultivo promovida no Brasil, num evento  realizado com apoio do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal da Bahia. 


2011


Em fevereiro Sergio organizou em parceria com o Espaço Matilha Cultural um debate sobre maconha medicinal em São Paulo, que contou com a participação do deputado federal Paulo Teixeira (PT) que inclusive foi atacado pela Folha de São Paulo por ter defendido a regulamentação do cultivo caseiro e as cooperativas de usuários durante o evento. Nessa mesma ocasião Vidal realizou a primeira Oficina de Cultivo na sede da Associação Cultural Canábica de São Paulo.


Deputado Paulo Teixeira (PT), no lançamento do livro Cannabis Medicinal Introdução ao Cultivo em São Paulo
Em março Vidal foi a Guarapari, interior do Espirito Santo, particar de uma audiência a respeito do caso de um usuário que cultivava para consumo pessoal. Como auxiliar à Corte, ficou à disposição do Juiz, promotor e advogado de defesa, respondendo questões sobre a cultura do cultivo para consumo pessoal e sobre as técnicas de cultivo, dentre outras.

Em abril Vidal esteve em Natal, participando do II Ciclo de Debates Antiproibicionistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, ministrando uma aula sobre a história da maconha no Brasil e lançando seu livro.

Em maio Sergio foi indicado por outros membros do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas para representar o CONAD no I Fórum Interconselhos para debater o Plano Plurianual do Governo 2012-2015.

Também em maio Vidal participou da Marcha da Maconha do Distrito Federal e de um debate na Universidade Federal de Brasília, a convite do Coletivo CannaCerrado. Nessa ocasião ocorreu a prisão do cultivador Sativa Lover, mais um caso no qual Vidal passou a auxiliar na elaboração da estratégia de defesa. Nesse período Vidal também ajudou na organização da Marcha da Maconha Aracaju.

Em junho Sergio foi convidado a participar do Seminário Drogas: Subjetividade, Autonomia e Tutela, promovido em Recife pelo Conselho Federal de Psicologia. 

Em setembro Vidal participou do II Encontro Estadual de Controle Social da Redução de Danos, realizado pelo Programa de Redução de Danos de Porto Alegre. Na ocasião também realizou o lançamento do livro.

Em outubro Vidal foi ao julgamento do Sativa Lover participar na qualidade de auxiliar à corte. Nesse mesmo mês começou a escrever uma coluna semanal para o blog Hempadão, tirando dúvidas dos leitores sobre cultivo, uso medicinal e outros temas relacionados com a cannabis. Também em outubro participou do II Encontro Latino-Americano da Juventude, realizado em Fortaleza, onde participou de 2 debates e uma Oficina de Cultivo. Em novembro Vidal foi participar de um debate e lançar o livro na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais.

Oficina de cultivo em São Paulo



Seminário Drogas: Subjetividade, Autonomia e Tutela




II Encontro Latino-Americano da Juventude



2012

Em abril Vidal foi ao Rio de Janeiro participar do Pot in Rio, evento de cultura canábica, participando como palestrante em um debate sobre legalização da maconha e como juiz na primeira Copa Rio 420, na qual pode conhecer diferentes cultivadores e ouvir relatos sobre suas técnicas e resultados.

Em maio Sergio foi convidado mais uma vez pelo coletivo CannaCerrado a participar de um debate sobre legalização da maconha na Universidade de Brasília e da Marcha da Maconha do Distrito Federal. Vidal também ajudou na organização da Marcha da Maconha Aracaju.

Também em maio ocorreu um caso de censura ao Blog Saúde com Dilma, por ter publicado um livro sobre drogas que, entre outros artigos, continha um trabalho de Vidal sobre o cultivo de maconha como redução de danos. O caso começou com uma matéria sensacionalista do jornal O Dia afirmando que a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro estava estimulando as pessoas a plantarem maconha por ter publicado o livro. Vidal participou de uma entrevista online através do Twitter para falar a respeito do caso.


Em junho ministrou uma Oficina de Cultivo em João Pessoa e ajudou o coletivo local no diálogo com a Polícia Militar para a realização da Marcha da Maconha. 

Em agosto Vidal foi a São Paulo participar de um debate na USP sobre legalização da maconha e realizou mais uma Oficina de Cultivo, desta vez com a participação ilustre de El Chino, um cultivador campeão da Copa Del Plata (Argentina).



Marcha da Maconha João Pessoa



Marcha da Maconha Brasília



Marcha da Maconha João Pessoa


Entrevista pelo Twitter


2013

Em maio foi a Brasília covidado a falar na mesa "Propostas para a legalização da maconha", parte do Congresso Internacional sobre Drogas. Vidal também ajudou na organização da Marcha da Maconha Aracaju.

Encontro Nacional de Serviço Social (Recife)

Em setembro Vidal foi a Recife participar do Congresso Nacional do Conselho Federal de Serviço Social, debatendo o papel dos usuários na elaboração e implantação das políticas e leis sobre drogas.

Em outubro Vidal participou de um debate sobre maconha medicinal no IV Congresso da Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas. 


Em dezembro participou de um debate sobre maconha medicinal e ministrou uma Oficina de Cultivo em João Pessoa. Também em dezembro trabalhou junto ao coletivo BaLanCe de Redução de Danos no Festival Universo Paralello, no qual também ministrou uma Oficina de Cultivo e Redução de Danos.


Congresso Internacional sobre Drogas (DF)






2014

Sergio Vidal e ativistas uruguaios
Em janeiro Vidal foi ao Uruguai a convite da empresa Photogenesis Biotecnologia para conhecer o processo de legalização no país que estava ocorrendo naquele período e dialogar com diferentes ativistas envolvidos com o tema. 

No começo do ano as negociações com o site de financiamento coletivo de projetos Catarse se iniciaram e em março foi iniciada a campanha pela nova tiragem do livro Cannabis Medicinal Introdução ao Cultivo Indoor. Em julho mais 2.000 livros foram impressos, dos quais 1300 foram enviados para as pessoas e empresas que colaboraram com o projeto. Ao longo de 5 anos de história já foram quase 5.000 livros entre vendidos e doados a coletivos pró-legalização.

Em julho foi a Santa Catarina ministrar um workshop de cultivo medicinal e participar como juiz da Copa Florida, a Copa Cannábica de Florianópolis.

Em setembro Vidal foi capa da Revista Maconha Brasil e foi convidado a promover a revista no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde realizou diferentes eventos. Na ocasião aproveitou para promover o encontro "Maconha Medicinal: Reflexões sobre Passado, Presente e Futuro", no espaço Matilha Cultural, que contou com a participação de diferentes pacientes e especialistas no tema.

Em novembro Vidal fez o lançamento do livro no XI Encontro da Associação Brasileira de Redutoras e Redutores de Danos e participou de um debate sobre o uso medicinal da maconha dentro do evento. 

Em dezembro Sergio atuou mais uma vez junto ao Coletivo BaLanCe de redução de danos no Festival Universo Paralello. Dessa vez, além de promover Oficinas de Cultivo e Redução de Danos, coordenou o Espaço Fique Legal, que promoveu a divulgação do trabalho de ativistas antiproibicionistas de diferentes grupos de todo Brasil. 

Também em dezembro Vidal ajudou a fundar a Associação Multidisciplinar de Estudos sobre Maconha Medicinal - AMEMM, na qual atualmente exerce o cargo de presidente, ajudando a promover o debate e a difusão de informações sobre o tema e facilitar o acesso de pacientes ao medicamento.

2015

Em abril Vidal ministrou uma aula sobre a história da maconha e do antiproibicionismo no Brasil para os alunos da pós-graduação de Direito da Universidade Católica do Salvador (BA), participou de um debate sobre regulamentação da maconha em Alto Paraíso (GO) e foi a Balneário Camboriú (SC), ministrar 2 dias de WorkShop sobre cultivo medicinal promovido pelo Instituto da Cannabis e pela loja GreenPower.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião!